Carlos Fontes

 

 

Entrada
Colombo

 

Resenha Biográfica
Italiano ?
Espanhol ?
Português ?
Bibliografia
albanês Cristoforo Colombo
árabe كريستوفر كولومبوس
basco Kristobal Kolon
bielorusso Хрыстафор Калумб
dinamarquês Christoffer Columbus
letão Kristofors Kolumbs
grego Χριστόφορος Κολόμβος
catalão Cristòfor Colom
checo Kryštof Kolumbus
chinês 克里斯托弗·哥伦布
curdo Krîstof Kolomb
eslovaco Krištof Kolumbus
esloveno Krištof Kolumb
galego Cristovo Colón
hebraico כריסטופר קולומבוס
húngaro Kolumbusz Kristóf
islandês Kristófer Kólumbus
lituano Kristupas Kolumbas
macedónio Кристофер Колумбо
norueguês Christopher Columbus
persa کریستف کلمب
polaco Krzysztof Kolumb
neerlandês Christoffel Columbus
romeno Cristofor Columb
finlandês Kristoffer Kolumbus
russo Христофор Колумб
sérvio Кристифор Колумбо
japonês クリストファー コロンバス

 

  

Cristovão Colombo, português ?

(

Cristoval Colon (Colombo).Pintura de Alejo Fernández (1505-1536), no quadro denominado "Virgem de los Navegantes". Sala dos Almirantes - Real Alcazar em Sevilha.

Próximo

 
 

 

Resenha Biográfica

 

Segredos de Colombo

 

 

 

Colombo em vida nunca falou sobre a sua infância e adolescência, o que permitiu aos mais variados falsários inventarem todo o tipo de historietas. 

 

Italiano ?

 

Durante séculos a vida de Cristovão Colombo (Cristoval Colón) foi um verdadeiro enigma, nada bate certo na sua biografia italiana, a mais difundida em todo o mundo. 

 

A totalidade dos documentos que a fundamentam estão repletos de contradições e anacronismos, sendo a maioria considerados falsos. Estamos perante uma tentativa de dar credibilidade à história de um pobre tecelão que se transformou num corsário especializado em atacar navios italianos e espanhóis, e que depois de ter vindo para Portugal se tornou num experiente e culto navegador.  

 

Não deixa de ser estranho que este Colombo, assim como os seus dois irmãos, não soubessem falar ou escrever italiano. Trocassem de nomes, alegadamente para não serem confundidos com italianos. Não manifestassem também qualquer relação afectiva com a Itália, nem com nenhuma das suas cidades. Não deu um único nome italiano a qualquer das terras que descobriu. Nunca afirmou que tivesse aprendido fosse o que quer que fosse com italianos. A Itália não lhe dizia nada. 

 

Propôs aos reis espanhóis, em Março de 1493, a realização de um Tratado para a partilha do mundo com os portugueses, onde exclui desde logo e para todo o sempre, as repúblicas italianas de acesso aos novas terras a descobrir. Ao longo dos anos, nunca sequer colocou esta questão. 

d

Ele e os seus irmãos perseguiram e mataram quase todos os italianos com quem negociaram. Colombo chegou ao ponto de alegadamente lhes ter pedido empréstimos, mas só pouco antes de morrer é que se lembrou de pagar as suas dívidas, exigindo contudo que o dinheiro fosse português. A indicação dos seus credores é de tal modo vaga que não permitia que nenhuma divida fosse paga.  

 

Nas Indias mandava torturar e matar todos aqueles que lhe chamassem de genovês, considerando isso um insulto. Os únicos italianos aparentemente confiou estavam estabelecidos ou vieram de Portugal. 

 

O seu grande objectivo era o de prejudicar as cidades italianas desviando o comércio do Mediterrâneo para o Atlântico. Não deixa de ser estranho que nunca tenha contactado com nenhuma delas para lhe propor a sua ideia de atingir a India navegando para Ocidente. Apenas recorreu ao Banco de S. Jorge de Génova, para tentar que este lhe garantisse a protecção internacional para os privilégios do seu filho português. A sua alegada carta ao banco está escrita em espanhol aportuguesado, a forma pela qual se expressava.

 

Nunca se correspondeu com qualquer familiar em Itália, muito menos deu apoio ao seu suposto pai genovês que morreu na miséria (1499), o mesmo aconteceu à sua hipotética irmã genovesa (1516). Os problemas judiciais da sua suposta família genovesa nunca o preocuparam (1501).

 

A maioria dos historiadores está de acordo que terá existido em Génova, no século XV, um italiano com o nome de Cristoforo Colombo. O problema é que não existe qualquer relação entre este tecelão e o navegador e descobridor da América. Estamos perante duas pessoas muito distintas. Mais

 

.

Espanhol ?

 

Colombo tinha em muito má conta os espanhóis. Foi desleal e mentiroso para com os seus reis, obrigando outros também a fazê-lo. No regresso da primeira viagem às Indias (América), a sua principal preocupação foi dirigir-se para Lisboa a fim de conferenciar com o rei de Portugal - D. João II - e receber instruções. A partir de Lisboa informou toda a Europa da sua descoberta, e só depois deu notícia do facto aos reis espanhóis (Isabel e Fernando).

 

Propôs a realização de um Tratado entre Portugal e a Espanha (Tratado de Tordesilhas, 7 de Junho de 1494), cuja linha divisória salvaguardava desde logo o Brasil para Portugal. Depois recusou-se a fornecer aos reis espanhóis as coordenadas sobre as ilhas que havia descoberto, deixando-os assim è mercê dos negociadores portugueses.  

 

Assumiu uma clara estratégia separatista nas Indias, no que foi seguido pelos seus irmãos e filhos. Um facto que levantava continuas suspeitas de estar ao serviço do rei de Portugal.

.

Entre 1493 e 1498 andou a entreter os espanhóis nas Antilhas saltando de ilha em Ilha, nunca procurando a Terra Firme (continente). Apenas resolver fazê-lo depois de Vasco da Gama ter partido para a India (1497) e D. Manuel I ter sido jurado herdeiro do trono de Espanha em Toledo (1498).    

 

Após o regresso das naus portuguesas da India, em 1498, os espanhóis não tardaram em sentirem-se enganados. Colombo afastara-os da India, deixando o caminho livre para os portugueses poderem prosseguir as suas viagens. Acusado de traidor, morreu pobre em Valladolid no ano de 1506. Os seus restos mortais andaram em bolandas entre a América e a Europa, de tal forma que hoje já ninguém sabe ao certo onde param.

 

Em Espanha foi sempre considerado "português" ou "estrangeiro". Nunca se naturalizou espanhol, pedindo ao seu filho português e seu herdeiro para que nunca se esquecesse das suas origens.

 

A verdade é que os espanhóis no século XIX, não tendo nenhum navegador de renome internacional, começaram a afirmar que Colombo era catalão ou galego. Criaram-lhe biografias repletas de falsidades. Não tardaram a seguir a prática dos falsários italianos forjando documentos e ocultando pistas de investigação sobre a sua verdadeira identidade. Mais

 

 

 

Português ?

 

Apenas no século XX se colocou timidamente a hipótese de Colombo ser português, mas a ideia foi logo censurada pela historiografia oficial. 

 

Desde 1469 já andava no corso ao serviço dos reis portugueses, não sendo de excluir que prestasse também serviços para o Duque de Viseu-Beja. No ano seguinte era conhecido por "corsário português, tendo a cidade de Veneza pedido ao rei D. Afonso V que controlasse a sua acção devastadora. Como corsário especializou-se no ataque a navios italianos (genoveses, venezianos, florentinos) e até do próprio papa. 

 

A partir de 1470, como o próprio Colombo afirma, começou a tentar convencer o reis portugueses a apoiarem a sua expedição às Indias. 

 

Em 1474 estava seguramente estabelecido em Lisboa, onde se correspondia em latim com o italiano Toscanelli. Era amigo pessoal do rei e tinha acesso ao seu arquivo pessoal, inclusive aos seus livros. O seu irmão - Bartolomeu Colón - vivia também em Lisboa desde muito novo. Casou com uma nobre portuguesa, da qual teve um filho - Diego Colon. 

 

A partir de 1476 fazia parte de um grupo muito restrito de navegadores portugueses que exploravam o mundo em expedições secretas ao serviço do rei e  do Duque de Viseu-Beja: em 1476/77, fez uma viagem à Groenlândia organizada pelo rei da Dinamarca a pedido do rei de Portugal (D.João II, e não D. Afonso V). As suas viagens em Portugal não se ficaram por aqui, em 1481/83, integrou várias expedições portuguesas ao longo da costa africana (Guiné, S. Jorge da Mina, actual Gana, etc) e foi também à Madeira.

 

Em 1484 aparece envolvido no meio de uma conspiração contra o rei, dirigida por .D. Diogo, Duque de Viseu e de Beja, mestre da Ordem de Cristo, senhor das Ilhas do Atlântico (Açores, Madeira, Cabo Verde), da Guiné e muitos outros domínios no Alentejo e nas Beiras. A família da sua esposa, e provavelmente o próprio Colombo, pertencia à casa destes duques.

 

Em fins de 1484, ou  o mais tardar em princípios de 1485, fugiu para Castela (Espanha), onde passou a viver rodeado de portugueses que lhe prestaram todo o apoio. Nunca actuou sozinho. Depois desta fuga visitou várias vezes Portugal, fazendo sempre grande elogios ao país e aos seus reis.   

 

Os únicos documentos originais que existem e que estão escritos por si, a maioria das palavras que utiliza são em português espanholado e não em catalão. Não era de admirar que soubesse espanhol, dado que foi para Espanha, em 1484, 7 anos antes da sua primeira viagem à América. O que espanta é que ao fim de 21 anos a viver neste país continuasse a usar uma ortografia portuguesa e um espanhol aportuguesado. 

 

Os primeiros documentos da Corte Castelhana onde se referem a sua nacionalidade consta que é "português" (1486) e só mais tarde é referido como "estrangeiro".

 

No dia 12 de Outubro de 1492, quando aportou à América fez questão de erguer uma bandeira coma cruz verde, o símbolo da dinastia real de Portugal. As suas crenças e até a mentalidade são características de um português do seu tempo. A maioria dos nomes que deu as novas terras são portugueses. 

 

Colombo nunca afirmou que descobrira a América, mas si que a deu a Castela e Leão. Afirmou inúmeras vezes que o Novo Mundo já havia sido descoberto pelos portugueses, tendo registado expedições, navegadores e nas Indias recolheu depoimentos de indigenas que confirmavam esta presença. No seu Diário de Bordo, apesar das mutilações aponta dezenas de ensinamentos que aprendeu com os portugueses.

 

Em 1502, num acto de enorme heroísmo não se coibiu de arriscar a segurança da frota espanhola para defender portugueses que se encontravam em perigo em Arzila (Marrocos), ou de perseguir aqueles que pudessem por em risco o domínio de Portugal em Safim.

 

Apesar destes factos a hipótese de Colombo ser português só verdadeiramente começou a ser estudada recentemente, com base na enorme documentação histórica que o relacionam com Portugal.

 

Nas páginas que se seguem vamos relembrar os que os conhecidos, mas também apresentar muitos outros ainda inéditos. Mais

 

 

Outro Enigma de Colombo: Onde param os seus restos mortais ?

Morreu a 20 de Maio de 1506 em Valladolid, foi sepultado primeiro na Igreja de S. Francisco, numa capela da família de Luis de la Cerda (1). Três anos os seus restos mortais foram transladados para o Mosteiro de Santa Maria de Las Cuevas, em Sevilha, por ordem de seu filho Diego Colon. 

Em  1544 é transladado com os restos mortais do seu filho Diego, falecido também em Espanha, para a Catedral de Santo Domingo. Tratou-se de uma acção realizada pela viúva de Diogo e vice-rainha das Indias, Maria de Toledo, com a autorização de Carlos V.

Quando em 1795, a França tomou a antiga Hispaniola ou La Española, actual Republica Dominicana, os supostos ossos de Colombo foram transladados para Havana (Cuba). Após a independência de Cuba, em 1898, foram enviados para Catedral de Sevilha.

Para aumentar a confusão, em  1887, durante as obras de alargamento da capela maior da Catedral de São Domingo, na República Domicana, foi descoberto uma urna em chumbo com a inscrição: "Ilustre y Esclarecido Varón Dom Cristóbal Colón". A análise dos ossos que estão em Santo Domingo, revela que são pelo menos de dois cadáveres diferentes. Os restos mortais de Diego Colón, filho de Colombo, assim como os do seu irmão Bartolomeu Colon desapareceram. 

O historiador Samuel Eliot Morison, assim como muitos outros, sustentam que os ossos que estão em Sevilha são de Diego Colon (filho), e não os de Cristovão Colombo (pai). Ao "certo", apenas se sabe onde param os ossos de Hernando Colón e Diego Colon, irmão de Colombo. 

 

Carlos Fontes

 

 

Próximo

 

u Notas:

(1) Cristovão Colombo, faleceu a 20 de Maio de 1506, em Valladolid. Na cidade ninguém praticamente deu conta do facto. Chegou aqui no princípio de Abril de 1506, afim de reinvindicar junto da corte os seus privilégios e a transmissão dos mesmos para o seu filho Diego Colon. 

Quando faleceu foi sepultado na Capela de Santo António ou da Concepção, cujo patrono era Luis II de la Cerda. Os historiadores espanhóis não se entendem sobre a sua possível ligação a esta personagem, falecida em 1469 e a sua esposa -Francisca de Castanheda (Castañeda) falecida em 1503. 

Porquê? O seu objectivo é evitar qualquer ligação de Colombo a nobres portugueses.

a) Luis II de la Cerda, senhor de Villoria, Castrillo, Griñone Valtablado, era neto do português João Afonso de la Cerda (Lacerda, em português), senhor do Sardoal e de Punhete (Portugal) e de Maria de Albornóz, senhora de Villoria.

b) Casou-se com Francisca de Castãneda (Castanheda, em português), senhora de La Palma (Canárias), as ligações a Portugal são também enormes.

c) Alguns historiadores confundem Luis II de la Cerda com o I Duque de Medinacelli - Luis de la Cerda -, que acolheu Colombo em 1485-1486 na sua casa.

Acontece que o filho deste último e seu sucessor - Juan de la Cerda -, casou-se com a portuguesa Mencia Manuel de Bragança e Noronha (1480-1504), filha de Afonso de Bragança, I Conde Faro e de Maria  Henriques de Noronha, II Condessa de Odemira. Estamos perante familiares portugueses do próprio Colombo e que viviam com ele exilados em Sevilha. ( consultar ).

Colombo foi, ao que os dados indicam, sepultado numa capela cujos patronos tinham todos fortes ligações familiares a Portugal. Estamos perante uma mera coincidência ?

 

 

.

Consulte pela ordem indicada para ter uma visão de conjunto

Cada página está em permanente actualização

Provas de Colombo Italiano

Provas de Colombo Espanhol

Provas do Colombo Português

 

 
Próximo

Para nos contactar: carlos.fontes@sapo.pt